Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em 88 bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 57 anos de tradição.
 
O que foi notícia na semana
 
Foto: AGZN

Desde a última quinta-feira (25), a SPTrans reduziu cerca de 9% da frota de ônibus da cidade de São Paulo. O levantamento feito pela empresa antes da pandemia afirma que mais de 3 milhões de pessoas utilizavam o transporte público, mas esse número caiu para 1,3 milhão por dia e, vem se mantendo estável nas últimas semanas.

Na última quarta-feira (24), o arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Scherer, anunciou que as missas presenciais retornaram na cidade de São Paulo. Os eventos religiosos da Igreja Católica terão de seguir protocolos, como: manter distanciamento e não reutilizar folhetos litúrgicos. Ainda não há data, para que as missas voltem a serem realizadas, os padres só poderão ficar sem máscaras no altar.

O arroz e o feijão, base da alimentação nacional, registraram alta variação de preços neste período de pandemia, pesando no bolso do brasileiro. É o que aponta levantamento realizado pela InfoPrice, empresa de tecnologia e inteligência de negócios, focada em pricing do varejo físico, que levou em consideração o comportamento dos preços no período de 10 de fevereiro a 4 de maio. A região Sul foi a localidade na qual o arroz alcançou a maior alta no período analisado: 8,52%. Em segundo lugar está a região Nordeste, com 7,04%. No Sudeste, a variação foi de 4,55%; e no Centro-Oeste, de 0,56%. A região Norte foi a única a apresentar recuo de 3,07%. O do feijão saltou 18,61% no Sudeste e 18,42% no Nordeste. As regiões Sul e Centro-Oeste notaram avanço de 9,90% e 8,90%, respectivamente. A região Norte exibiu retração, de 11,79%.

Na última terça-feira (23), uma nuvem de gafanhotos chegou à Argentina porém, antes passou pelo Paraguai, e por lá destruiu plantações de milho. Segundo o monitoramento do Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Alimentar da Argentina (Senasa) os insetos devem seguir em direção ao Uruguai e, segundo a Senasa a nuvem de gafanhotos deve passar pelo Brasil e preocupa, já que é uma praga pouco conhecida e pode causar danos enormes às lavouras agrícolas. Os gafanhotos passarão pelo oeste dos estados do Rio Grande do Sul e também em Santa Catarina. 
 
Voltar
 

Veja a capa da edição:

Capa da Edição
Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729




FAKE NEWS - FIQUE ATENTO!

Veja as duas últimas edições
Ed. 2924 Ed. 2925

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2020 ©.