LIGUE 180



Atualizado semanalmente

Pesquisa

Pesquisa
Anuncie: 2977-6544. O mais eficiente veículo de divulgação. Distribuído e lido em 88 bairros da Zona Norte para um público de 500 mil leitores com circulação às sextas-feiras. Distribuição gratuita em bancas, prédios comerciais e residenciais, condomínios, clubes, imobiliárias, padarias e shoppings. 58 anos de tradição.
 
Cena Livre
 Paschoal XIII
Foto: Júnior Mandriola/Divulgação
Cena de Trenzinho de Minas

BETO GUEDES, Milton Nas­ci­mento, Fernando Brant, Lô Borges e outros músicos mineiros consagrados serão homenageados na quinta livezinha temática que o Grandes Músicos para Pequenos apresenta, este ano, em parceria com o Projeto Diversão em Cena. Com direção de Diego Morais e roteiro de Pedro Henrique Lopes, o programa vai apresentar o espetáculo digital inédito Trenzinho de Minas, dia 10 de outubro, às 16 horas. A live vai alternar trechos da peça com quadros musicais e atividades interativas para toda a família. A exibição será feira no canal no YouTube da Fundação ArcelorMittal (www.youtube.com/FundacaoArcelorMittal) e no Facebook do Diversão em Cena (facebook.com/DiversaoEmCena), com patrocínio da Arce­lorMittal, através da Lei de In­centivo à Cultura, da Secreta­ria Especial de Cultura, do Mi­nis­tério do Turismo e do Governo Federal.

O MUSICAL Trenzinho de Minas começa quando os amigos e vizinhos Gabi (Analu Pi­menta) e Tiago (Oscar Fabião) percebem que todos os pães de queijo do mundo desapareceram. Tiago, que está com fome, decide sair pelas montanhas de Minas Gerais em busca do melhor pão de queijo do mundo. Encontrando pistas pelo caminho, será que eles vão descobrir quem comeu tanto?

A PARTIR DE canções de diversos artistas mineiros, Trenzinho de Minas fala sobre a importância de dividir as melhores coisas da vida com as pessoas que amamos. Na trilha sonora, estão sucessos como Canção da América, Bola de meia, Bola de gude, Fé Cega, Faca Amolada, entre outros clássicos nacionais.

“MINAS GERAIS tem uma cena cultural efervescente. Desde o Clube da Esquina até artistas da atualidade, a música mineira exerce um impacto enorme e contribui muito para a alta qualidade da arte nacional”, descreve Pedro Henrique Lopes. “Vai ser uma alegria mostrar para as crianças toda essa riqueza e diversidade musical”.

AS LIVEZINHAS apresentam atividades temáticas e informações sobre os músicos homenageados para despertar a curiosidade das crianças sobre os artistas e sua obra. Outras atividades estão disponíveis no canal do YouTube do Grandes Músicos para Pequenos (YouTube.com/grandesmusicosparapequenos).

CONTEMPLADO na Cate­go­ria Especial no Prêmio CBTIJ de Teatro Infantil 2016 pela sua relevância ao teatro infantil, o projeto Grandes Músicos para Pequenos foi criado com o intuito de apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações. Assistido por quase 200 mil pessoas, seus espetáculos somam juntos 14 prêmios de teatro infantil, entre outras 42 indicações.

A IDEIA é trazer o legado importante da nossa cultura para as crianças, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, autor das peças do projeto. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, das quais o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor Diego Morais. Mais sobre o projeto:
www.grandesmusicos
parapequenos.com.br

VOCÊ SEMPRE AGE de acordo com seus princípios éticos? Ou será que muitas vezes suas ações e comportamentos contradizem o seu discurso? A partir dessa reflexão se desenrola a trama do elogiado espetáculo Era Medeia, que faz uma temporada gratuita, de 4 a 18 de outubro, no canal do YouTube da Firjan SESI (www.youtube.com/c/FirjanSesi). Os espectadores vão assistir à uma versão da peça, gravada em setembro, no Teatro Firjan Sesi Centro.

COM SUPERVISÃO de Cesar Augusto, texto e direção de Eduardo Hoffmann e argumento de Marina Monteiro, a montagem se passa durante os ensaios de uma adaptação da tragédia Medeia, de Eurípedes, pano de fundo para uma discussão que também passa pelo machismo, o abuso de poder, exposição da vida privada e a importância do processo na criação artística.

EM CENA ESTÃO os atores Eduardo Hoffmann e Isabelle Nassar, que vivem Pedro Lobo, um diretor excêntrico, e Ve­rô­nica Albuquerque, uma atriz insegura. O público é convidado a assistir a um ensaio aberto do espetáculo no qual estão trabalhando juntos. Aos poucos, o passado deles vem à tona, e os espectadores passam a ser testemunhas de um acerto de contas íntimo entre os personagens.

A ESCOLHA DE MEDEIA como o texto que os personagens ensaiam tem um propósito: é um ícone da representação de uma mulher que rompe com os padrões sociais estabelecidos. Apesar de tomar atitudes cruéis, ela é uma personagem que não fica à mercê das decisões e escolhas dos homens à sua volta”, explica o ator e diretor Eduardo Hoffmann. “E aí é que está a contradição. O diretor está montando Medeia justamente para enaltecer a força dessa mulher que rompe com os padrões repressivos e, no entanto, o modo como ele lida com a atriz (que já foi mulher dele) é extremamente repressor e abusivo”, acrescenta.

Foto: Bruna Diacoyannis/Divulgação
Cena de Era Medeia

A PARTIR DA exposição da vida íntima do ex-casal, Era Medeia também faz uma reflexão sobre os motivos de o público de hoje parecer se interessar mais pelos bastidores da criação do que pela própria criação. “O fato de estarmos vivendo uma realidade social e política extremamente espetacularizada contribui para que o caráter ficcional da arte esteja cada vez mais com sua potência diminuída. E já faz bastante tempo que os reality shows tornaram as pessoas personagens mais interessantes aos olhos do público do que os personagens criados nas obras de ficção. É uma extrema necessidade de ser arrebatado pelo Real, até porque o cotidiano atual está extremamente teatralizado”, analisa Hoffmann.

A CIA OURO VELHO apresenta, entre 2 de outubro e 28 de novembro de 2021, uma mostra de repertório voltada para crianças composta por cinco obras: Estação Vivaldi, O Lugar de Onde se Vê, Juntos Somos Nós, Fuga do Planeta Melancia e O Novo Rei de Beleléu. Em comum, as peças abordam o processo de amadurecimento e da transformação de cada indivíduo tendo em vista uma perspectiva de educação, psicologia e formação de público na arte. A estreia da mostra acontece presencialmente no Teatro Cacilda Becker e outras sessões serão exibidas por meio de registros pré-gravados no canal de YouTube Cia. Ouro Velho e Cultura Santos.

LARA HASSUM e Paulo Mar­cos, fundadores da companhia e artistas que assinam a dramaturgia e direção de todas as obras apresentadas na mostra, contam que as peças do grupo também se preocupam em abordar, com delicadeza, alguns temas sociais relevantes. “Entendemos a criação artística como uma catarse, uma cura de muitos vícios que vamos obtendo ao longo da vida”, diz Paulo. Isso é o pano de fundo, por exemplo, da obra O Lugar de Onde se Vê, em que uma menina muito triste descobre o prazer e a vontade de brincar por meio de personagens icônicos do teatro. “Para ela, o teatro se torna um local de pensar o mundo, com seus problemas e questões, podendo contar com sua poesia”, complementa Lara.

NA PEÇA O Novo Rei de Beleléu, os moradores da cidade vivem uma epidemia de Tanto-Faz, que causa nos contagiados uma grande apatia pela vida. Em Beleléu, quem tenta tomar o trono e ser rei é um capitão do exército fanfarrão e medroso. Quem se coloca contra o rei e tenta tirar os cidadãos desse estado tedioso é um sanfoneiro que usa ao seu favor o poder da música e da arte.

JUNTOS SOMOS NÓS é uma obra que trata das belezas e dificuldades dos processos de aprendizagem e amadurecimento pessoal. Fuga do Planeta Melancia traz uma perspectiva ecológica para discutir a importância da preservação da natureza e Estação Vivaldi introduz aos pequenos a obra do compositor Antônio Vivaldi para falar - ainda que sem palavras, pois trata-se de um espetáculo sem texto verbal - sobre arte, liberdade e vida. As obras são voltadas para crianças a partir de 7 anos, com exceção de Fuga do Planeta Melancia, que pode ser facilmente compreendida por crianças a partir de 4 anos.

BENDITAS MULHERES, ter­ceiro texto encenado de Cé­lia Forte, autora de Ciranda (2012) e Amigas, pero no mucho (2007), que permaneceu 13 anos em cartaz, estreia dia 8 de outubro, às 21h30, no Teatro Renaissance (Alameda Santos, 2.233). Vera Mancini, Claudia Missura, Carol Rainatto e Maria Pinna são intérpretes dirigidas por Elias Andreato.

A AUTORA TRANSITA uma vez mais pelo universo feminino. Em Benditas Mulheres conta a história de quatro personagens que revelam outra faceta desse universo: a convivência de três atrizes com a camareira da peça a ser encenada, mostrando os diferentes mundos que se juntam quando é formada uma equipe de teatro.

QUATRO REALIDADES distintas que convivem em harmonia, respeito e troca de experiências:  a sabedoria e vivência – e o cotidiano – de Otila, camareira, e a cultura adquirida de três atrizes que tentam montar uma peça e suas elucubrações com a vida e as artes.

NESSE ENCONTRO, as personagens percebem o quanto pode ser gratificante quando nos abrimos ao diálogo para escutar o outro, de uma maneira humana, divertida e, sobretudo, generosa e tolerante. O jogo é cômico e até farsesco com as coincidências inesperadas que unem algumas das personagens.

BENDITAS MULHERES retrata o encontro de 4 mulheres nas coxias e palco de um teatro. Vanda, a diretora (Vera Mancini), Helena e Sara, as duas atrizes (Carol Rainatto e Maria Pinna) e Otila, a camareira (Claudia Missura) estão no primeiro dia de ensaio. O que se vê ali não é uma discussão sobre uma montagem teatral e sim sobre o olhar do indivíduo, pessoas que unem suas angústias, desejos e sonhos, através de uma construção dramatúrgica.

A AUTORA transcorre por questões individuais, mas através da simplicidade do olhar da camareira, propõe um instigante jogo cênico em que as atrizes se tornam protagonistas de suas inquietações.

A TRAMA tem como objetivo nos colocar no lugar do outro. Ouvir os que vivem de maneira diversa de nossas convicções e condições de vida. Abrir o debate para a tolerância, a compreensão com o diferente, aqui retratada entre classes sociais, humanas e culturais das quatro personagens. Esse espetáculo é uma pequena homenagem aos trabalhadores e trabalhadoras do teatro nos bastidores, mas esse encontro poderia se dar em qualquer lugar onde convivem pessoas.

BENDITAS MULHERES tem apresentações as sextas e sábados, às 21h30. Venda de ingressos: https://bileto.sympla.com.br/event/69194
 Voltar
 

Veja a capa da edição:

Capa da Edição

Edição da semana

Para anunciar ligue:
2977-6544 / 2950-7919
Whatsapp  94861-1729
 
Veja as duas últimas edições
Ed. 2977 Ed. 2978
 

É proibida a reprodução ou cópia de fotos, matérias, anúncios ou páginas sem a devida autorização.

   2002-2021 ©.